Estudo de Caso: Oxidação Química (ISCO) com biorremediação ativada sem efeito rebound.

Remediação combinada de BTEX no subsolo

A SGW obteve sucesso na remediação de pluma de contaminação por BTEX com a aplicação uma formulação especial de oxidante associado ao processo de biorremediação subsequente responsável pela manutenção do processo de atenuação sem efeito rebound.

A SGW Services foi contratada para realizar a remediação de um terreno onde funcionou um antigo posto de abastecimento de combustíveis em São Paulo adquirido por uma construtora que desenvolverá um empreendimento residencial no local. A pluma de contaminação de BTEX (Benzeno, Tolueno, Etilbenzeno e Xileno) apresentava concentrações acima das metas de remediação estabelecidas para o site (Concentrações Máximas Aceitávies - CMAs) para o uso futuro pretendido.

O processo de remediação consistiu em aplicar a tecnologia de oxidação química ISCO (In Situ Chemical Oxidation), associado a um processo de biorremediação subsequente como resultante da decomposição do agente oxidante, que disponibiliza no meio aceptores de elétrons fundamentais para os processos biológicos secundários. A formulação inovadora utilizada pela SGW no projeto permite uma maior segurança no processo, uma vez que minimiza o efeito rebound (rebote) da contaminação, comumente observado nos casos de oxidação química tradicionais.

Em abril de 2015 a SGW acompanhou a escavação para remoção dos tanques de armazenamento do antigo posto de combustíveis, aproveitando a oportunidade para realizar a aplicação do agente oxidante nas cavas abertas durante a obra. Na ocasião a SGW aplicou, em um único evento, o montante de 2.000 Kg do produto oxidante remediador, misturado ao solo e água do fundo de cava para homogeneização em uma área de aproximadamente 100 m2. A cava foi recomposta com solo limpo e posteriormente foram reinstalados os poços de monitoramento perdidos durante a escavação para acompanhar o desempenho do processo de remediação.

PM-15A - Concentrações de Benzeno X Metas de Remediação
PM-15A Fev/15 Abr/15 Jul/15 Set/15 Mar/16 Set/16 CMAs (mg/L)
Benzeno 809,00 235,00 23,87 33,67 12,48 21,57
241,00
Redução Baseline 71% 97% 96% 98% 97%


PM-18A - Concentrações de Benzeno X Metas de Remediação
PM-18A Fev/15 Abr/15 Jul/15 Set/15 Mar/16 Set/16 CMAs (mg/L)
Benzeno 615,00 118,80 27,27 13,67 6,55 0,9
241,00
Redução Baseline 80% 95% 97% 98% >99%


As concentrações iniciais de baseline, anterior ao processo de remediação, apresentavam o composto benzeno entre 615 e 809 mg/L, acima das metas de remediação estabelecidas para o site de 241 mg/L como mostra a tabela acima. O primeiro evento de amostragem 20 dias após a aplicação do agente remediador apresentou redução superior a 70% e 80% nos poços PM-15A e PM-18A respectivamente.

Redução de Benzeno no Subsolo

As campanhas subsequentes de amostragem confirmaram a tendência de decaimento nas concentrações sem nenhum efeito rebound, comprovando a eficiência do processo de oxidação aliado a biorremediação de longo prazo como mostram os gráficos de redução e pluma a seguir.

Redução da pluma de benzeno no subsolo

Os resultados rápidos e positivos da remediação permitiram ao cliente dar continuidade ao projeto de implantação do empreendimento sem prejuízos ao cronograma original, economizando tempo e recursos financeiros.

Interessado em resolver definitivamente seus problemas com Hidrocarbonetos? Deixe seus dados, entraremos em contato.

Preencha o formulário e em breve entraremos em contato.

Nome:  
Telefone:  
E-mail:  
Empresa:  
Cidade:  
     
   


Se preferir, entre em contato:

Entre em contato conosco para uma avaliação de seu caso sem compromisso:

Solicite sua proposta   Fale com um consultor   Conheça nosso trabalho
contatos@sgws.com.br   (11) 3217-6300   www.sgws.com.br
         


Links relacionados:

Encerramento de Caso - Redução Química In Situ (ISCR) de Organoclorados em Condomínio Residencial.

Estudo de Caso - Remediação de área contaminada por organoclorados (PCE) e metais pesados (Chumbo).

Estudo de Caso - Remediação de Organoclorados por Barreiras Permeáveis Reativas.

Ensaio Piloto e Barreira Reativa – Redução Química In Situ (ISCR) de Organoclorados em Águas Subterrâneas.